6 Sinais de que você passou na entrevista de emprego



6 Sinais de que você passou na entrevista de emprego
Grande parte dos entrevistadores não demonstra ter gostado ou desgostado do candidato logo de cara”.
E mesmo que tenham gostado, isso não é garantia de que você continua na disputa pela vaga.
O ideal, portanto, é fazer a Si mesmo algumas perguntinhas depois da entrevista para ter alguma ideia se impressionou ou não o entrevistador – mais ou menos como checar o gabarito da prova do vestibular: certeza do resultado você não vai ter, mas pode obter uma boa noção do seu desempenho.
As perguntas são simples e você deve responder com sinceridade. Anote aí:

1. Praticamente só uma pessoa falou durante a entrevista?
Você falou o suficiente ou se comportou como se estivesse em um interrogatório?
Falar demais é um mau sinal. Falar de menos, também. Apenas responder retoricamente às perguntas do entrevistador, então, rende muitos pontos a menos.
A entrevista ideal acontece como uma conversa, em que ambas as partes conseguem falar o suficiente. Nunca é longa demais nem curta demais e se só uma das partes fala, tem algo de errado aí.
2. Foi para a entrevista sem conhecer bem a empresa?
Se antes da entrevista você estudou a empresa em detalhes, sabe o ramo de actuação e a posição dela no mercado, entendeu bem como funciona a cultura local, então já ganhou muitos pontos. Mesmo que não tenha precisado falar muito sobre o assunto, o entrevistador percebe quem tem ou não conhecimento sobre o futuro local de trabalho.
Uma dica de ouro da é: evite repetir tudo o que aprendeu para o entrevistador, como se tivesse decorado a história da empresa. Vai soar forçado.
3. As pausas entre uma pergunta e outra te incomodaram?
Aqueles momentos de silêncio que parecem feitos de propósito pelo entrevistador são um teste para a sua ansiedade.
O que aconteceu entre uma pausa e outra? Você aceitou o silêncio ou precisou preencher o momento com alguma conversa?
A entrevista não é uma corrida contra o tempo. Mostrar-se centrado, paciente, rende pontos a mais.
Ah, e nunca, em hipótese alguma, interrompa o entrevistador.

4. Você vendeu demais o seu peixe?
Durante a conversa, você falou de todos os seus pontos fortes, de todas as suas histórias de sucesso e do quanto você é a pessoa ideal para aquela vaga?
Sim? Bom, então você pode ter um problema. A dica em entrevistas é não se vender como a pessoa mais maravilhosa do mundo ou o candidato perfeito para a posição.
Falar sobre si mesmo é importante e necessário, mas é fundamental expor os fatos que comprovam sua experiência. Só dizer que é um excelente profissional, que é disputado por todas as empresas, que merece um salário milionário, não quer dizer absolutamente nada.
Marketing pessoal é bom, mas excesso de narcisismo pode ser perigoso. Fique ligado.

5. Durante a conversa, soltou alguma mentirinha?
Às vezes, para impressionar o entrevistador, tem candidato que solta aquela mentirinha inofensiva, que parece que não vai dar em nada.
Bom, não faça isso. Se você mentiu na entrevista para aumentar as oportunidades de conseguir a vaga, pode ser desclassificado mais adiante.
É que muitas vezes, antes da contratação, as empresas fazem uma verificação das informações dadas pelos entrevistados. Se perceberem que foram enganadas, por menor que tenha sido a mentira, desclassificam os candidatos sem dó nem piedade.
A pior experiência que um entrevistador pode ter na entrevista é perceber que a resposta foi manipulada.
Então, se você optou por falar a verdade durante toda a entrevista, passou informações nas quais você acredita e que demonstram quem você é, tem a oportunidade de continuar na disputa pela vaga.

6. Deu aquelas respostas prontas, feitas para impressionar?
Tem uma pergunta clássica das entrevistas que é: “Quais são os seus pontos fracos?”. No intuito de impressionar o entrevistador, o candidato responde rapidamente: “Sou muito perfeccionista, não sei a hora de parar, sou muito comprometido, exigente, etc.”.
Essa tentativa de manipular respostas tem um efeito terrível na entrevista. Na prática, o candidato está querendo convencer o entrevistador – um profissional treinado – de que ele é tão especial que até seus defeitos podem ser vistos como qualidades.
Fuja desse padrão. Não precisa impressionar o entrevistador em tudo. Às vezes, ser simples e honesto é o melhor caminho. Você pode, sem medo, contar um ponto fraco que identificou em sua carreira e contar o que está fazendo para melhorar. Pode revelar, por exemplo, que percebeu que o seu inglês não era muito bom e que foi fazer um curso para adquirir fluência no idioma – desde que seja verdade, claro!

Sem comentários

Imagens de temas por Jason Morrow. Com tecnologia do Blogger.